Sobre ser mãe; Ravenna Collin Galack

14:27

E meu amor por você ultrapassa os limites da sanidade.



Na época havia perdido as esperanças de uma vida boa, onde seria feliz em demasia a ponto de sentir explodir por dentro. Foi quando a descobri, pequena e silenciosa em meu ventre, lá estava aquela que mudaria minha vida para sempre a partir daquele momento. E se chamaria Ravenna, como a comuna italiana, espevitada em demasia, seria toda exageradamente perfeita, seria a Mia Ravenna. Ela era de uma quietude invejada, serena, calada, pensativa e guardava tudo para ela. Lembro-me como se fosse ontem, estava a subir as escadas quando a primeira de muitas pontadas disparou em meu ventre, era ela querendo conhecer o mundo, ela que dizia entre um chute e outro “mamãe, eu to chegando” rs. Me arrepia a epiderme cada vez que relembro de tal fato. Estava beirando a 38º semana de gestação, estava redonda igual uma bola e inchada que só vendo. Foi uma gestação parcialmente tranquila, sofri pré-eclâmpsia no 5º mês e quando finalmente chegou o dia, mal percebi que estava de fato “parindo” rs mesmo sendo minha 4º gravidez. De todos eles, ela a mais tranquila para vir ao mundo. Foi uma dor diferente dos anteriores que haviam nascido de cesáreas e foram de risco. Depois de tudo o que já havia me acontecido, nos acontecido, foi nela que depositei todo meu amor e minhas esperanças. Ela que viria ao mundo para me libertar de mim mesma, do meu egoísmo e egocentrismo, das minhas crises de autossuficiência e minha constante síndrome de mulher maravilha. Por que sim, eu precisava de pessoas, e não, eu não era a mulher maravilha. Ela nasceu numa tarde do dia 21 de setembro, vê-la pela primeira vez me fez despertar todos os sentimentos que estavam presos dentro de mim, senti-la em meus braços e aninhando-se em meu colo a procura de aconchego e proteção, era de uma sensação que jamais poderei explicar. Ela sem duvida alguma é a razão da minha vida.
Olho pra você e vejo todos os meus sonhos e admiração, quando te vejo quietinha e silenciosa, tento de todas as formas colocar um sorriso nesse rostinho lindo. Tudo o que passamos juntas desde quando você estava em meu ventre, me fez perceber que eu sou forte, e que nada pode nos abater, eu olho pra você e renovo minhas forças de cada dia, olho pra você e vejo a mim mesma; mil vezes melhorada. Quando abriu seus olhinhos para seu padrinho, aquele que praticamente a tomou como filha, sua orbe azul-cinza cintilava de esperança. Filha! Eu te amo mais que tudo nessa vida, essas palavras jamais poderão expressar o tamanho do meu amor você, meu anjo. Agradeço a Deus todos os dias, a seu pai, por ter me dado esse incrível presente, que é você. Eu te amo, mais que qualquer coisa nessa vida eu te amo. Você ter me permitido entrar na sua vida, foi uma das maiores bênçãos que eu já pude receber. E quando te vi, ali, toda serelepe e divertida, tagarela que só ela, minha piccola, tive a certeza de que era você. Você a vir alegrar meus dias, você a me encher de felicidade e esperanças, você a tirar toda dor que a mamãe tava sentindo. Filha, meu amor por você ultrapassa os limites da sanidade, por mais que o tempo passe, coisas aconteçam, eu sempre irei te amar, da forma mais pura e incondicional que você já viu. Amor maior que o meu, por você, não existe. Porque hoje e sempre você é o foco da minha vida, é por você que hoje eu vivo, é por você que hoje eu dou meu sorriso mais sincero. São com as suas palavras, que meu coração aflito se conforta e procura abrigo. É por você, minha petena que acordo todos os dias para mais um dia de luta, é por você e seus irmãos que ainda me mantenho aqui à espera de seu pai... É por vocês e pra vocês, todo o meu amor.
Ravenna Collin Galack, jamais poderei explicar o tanto que você significa pra mamãe aqui

Mia piccola, io ti amo per sempre. 


Você também pode gostar

0 comentários